Newsletter de Whatsapp Vs. E-mail: 5 diferenças fundamentais

Print pagePDF pageEmail page

As newsletters estão em alta. Repare: é difícil hoje navegar por um site sem encontrar uma caixa de inscrição sugerindo o envio novidades por e-mail. Recentemente, a chegada de newsletters para Whatsapp escaláveis e automatizadas estão dando novo gás ao formato.

Em essência, as duas modalidades compartilham um mesmo princípio: envio de conteúdo apenas para assinantes, ou seja, usuários que fizeram Opt-in para receber conteúdo de uma marca ou empresa. Na prática, porém, elas não poderiam ser mais distintas. Neste artigo, vamos conhecer as principais diferenças entre newsletters de Whatsapp e as antigas newsletters de e-mail.

1. Engajamento com “E” maiúsculo

Ao longo dos anos, newsletters de e-mail evoluíram para se tornar uma verdadeira ciência. Funis de venda, otimização de assuntos e horários de envio. Apesar disso, profissionais de marketing precisam lidar com uma verdade nua e crua: e-mails possuem taxas de engajamento baixíssimas.

Na prática, isso significa que empresas precisam manter listas enormes de assinantes para alcançar resultados minimamente significativos. Em declínio, a taxa de cliques global está em 3,2%, em média. Mesmo que você contrate um ninja para cuidar dos seus disparos, eles dificilmente alcançarão taxas de clique maiores que 5%.

No Whatsapp, a história é muito diferente. Taxas de abertura ultrapassam facilmente os 90%. Na média, a taxa de cliques alcança incríveis 30% – até 9 vezes o desempenho de e-mails.

Fazendo a conta ao contrário: para conseguir 5 000 cliques através de uma newsletter de e-mail, você precisa de uma lista com 156 250 pessoas. Pelo Whatsapp, é possível alcançar os mesmos 5 000 cliques com apenas 16 666 assinantes.

Há várias razões para tamanha discrepância. Em média, cada pessoa recebe 121 e-mails por dia – a imensa maioria deles de companhias. Para chamar atenção na caixa de entrada, é preciso gritar. Já o Whatsapp se apresenta como uma avenida livre, explorada por poucas marcas. Como toda nova plataforma, são enormes as vantagens dos first-movers, ou pioneiros.

2. Ciclo de entrega instantâneo

E-mails possuem um ciclo de entrega bastante longo. Uma campanha enviada hoje pode ser aberta e lida por seus assinantes apenas na semana que vem. A entrega demorada tem impacto no planejamento, na frequência e eficácia das campanhas como um todo, e demanda otimização dos melhores horários e dias da semana para envio, entre outros.

No Whatsapp, tudo ocorre de forma imediata. Segundo levantamento do eMarketer, 80% das mensagens são abertas nos 5 primeiros minutos após o envio.

Essa característica abre espaço para uma nova gama de ações e campanhas de marketing. Promoções relâmpago e ofertas de última hora são apenas algumas das modalidades exploradas por empresas atualmente no Whatsapp. Já pensou o que sua empresa pode fazer com um canal de divulgação com entrega instantânea?

3. Comunicação informal: libere os emojis

E-mails de empresas costumam ter um tom institucional e formal. Até mesmo as marcas mais criativas têm dificuldades em utilizar uma voz original no ambiente “careta” dos e-mails.

No Whatsapp, ocorre o contrário. O app, que cresceu como uma alternativa a redes sociais abertas, se consagrou como uma plataforma bastante informal, um espaço leve e protegido em que tudo pode acontecer. Vale lembrar: no Whatsapp, sua marca está dividindo espaço com conversas muito pessoais – fotos do sobrinho, piadas, planos para o fim de semana. Cada vez mais, empresas e marcas estão aproveitando o espaço para estreitar ainda mais a relação com seus clientes.

Isso inclui, é claro, o uso de emojis. Estudos mostram que o cérebro humano é capaz de processar informações visuais 60 mil vezes mais rápido do que em texto. Além de facilitar o consumo do conteúdo, os emojis criam proximidade com sua marca, que utiliza a plataforma para falar a língua do seu público.

4. Newsletter com potencial viral

Tradicionalmente, newsletters são um formato de comunicação individual. No e-mail, a moda hoje é a personalização e a busca por maneiras de falar com seu cliente tête-a-tête. Afinal, ninguém mais vai ler aquela mensagem, certo? Aqui, há outra mudança de paradigma em curso.

O Whatsapp é hoje a plataforma com maior potencial viral existente. Na elaboração de uma newsletter, portanto, vale levar em conta que aquele conteúdo pode alcançar pessoas que sequer fazem parte da sua lista. Newsletters de Whatsapp representam hoje o melhor de dois mundos: de um lado, entrega personalizada e completa, sem depender de algoritmos. Do outro, conteúdos que podem viralizar a qualquer momento – o compartilhamento, afinal, está sempre a um clique de distância.

5. Práticas de mercado? Você inventa

A tecnologia dos e-mails nasceu em 1978. As primeiras campanhas de e-mail marketing datam de 1991, com o surgimento de plataformas como o Hotmail. De lá para cá, como vimos, surgiram várias práticas de mercados estabelecidas.

O marketing de Whatsapp, por sua vez, está na infância.

Não há fórmulas a serem seguidas. O momento pode ser comparado ao e-mail marketing no final dos anos 1990, quando e-mails alcançavam taxas de abertura de 80%. Para profissionais de marketing, este é um convite para experimentações. Vamos nessa?

FONTE: Zapcast